Eurovision

Presidente ucraniano fala sobre caso Samoylova

Insiste na infração das leis locais

04 de abril de 2017 - por Fabiana Silva
04 04 2017

Petro Poroshenko, presidente da Ucrânia, falou hoje pela primeira vez sobre o caso Julia Samoylova. Ele deixou claro que a única forma de entrar legalmente na Crimeia é através da fronteira com a região de Kherson e, se alguém entrou por alguma outra fronteira, essa pessoa está violando as leis da Ucrânia.

De acordo com o Sr. Poroshenko, escolher Julia como representante foi uma decisão puramente provocativa por parte da Rússia, já que todos estão cientes das regras em relação à Crimeia.

Em carta à EBU, a estatal UA:PBC pediu que a organização que respeite a soberania da Ucrânia e que não ignore os interesses do Estado. Visitar a Crimeia sem passar pelo território ucraniano fez com que Julia Samoylova infringisse as leis do país – ela foi a única participante do Eurovision 2017 a fazer isso e, pelo fato de que nenhum país europeu reconhece a anexação da Crimeia, a EBU não deveria ter motivos para insistir na participação de Julia.

De certa forma, a UA:PBC se mostrou desapontada com as atitudes da Sra. Ingrid Deltenre, que parecia proteger a Rússia:

Partilhamos plenamente o sentido negativo dos membros da EBU sobre o fato de que “a competição deste ano foi utilizada como um meio para o atual confronto entre a Federação Russa e a Ucrânia”. No entanto, estamos surpresos com o fato de que “tristeza” e outras palavras têm sido utilizadas nesta ocasião pelo Diretor Geral da EBU sobre o lado ucraniano da história, e não sobre o lado russo. Isto contradiz grandemente as declarações de Ingrid Deltenre – Eurovision apocalítico, porque a Sra. Deltenre realmente ficou do lado da Federação Russa, envolvendo-se nas provocações políticas da Rússia. A exigência de cancelar a decisão do Serviço de Segurança da Ucrânia, adotada no âmbito da sua autoridade jurídica como a tese de decisões de coordenação do Serviço de Segurança da Ucrânia com a EBU, poderia ser considerada uma interferência nos assuntos internos da Ucrânia, que vai além dos poderes da EBU e dos objetivos do Eurovision.

As discussões entre a EBU, a UA:PBC e o governo ucraniano em relação à participação da russa Julia Samoylova seguem. Enquanto isso, a cantora já gravou parte de seu postcard na Praça Vermelha, em Moscou.


Caso Julia Samoylova

Confira os episódios do caso Julia Samoylova aqui.

Fonte: Eurovoix
x Close

Curta nossa página no Facebook