Eurovision

[AT] Jurado português acusado de favoritismo

Jurado português declarou seu favoritismo à Salvador Sobral e é criticado nas redes sociais

22 de fevereiro de 2017 - por Paulo K.
22 02 2017

Ao fim da primeira semifinal do Festival da Canção 2017, a final nacional de Portugal, o radialista Nuno Markl, jurado da seletiva, utilizou as redes sociais para defender o candidato Salvador Sobral, revelando ter sido o intérprete que recebeu a sua pontuação mais alta. Alguns dos seus seguidores criticaram as suas declarações, algo que levou o jurado a esclarecer o sucedido através de mais uma publicação. Markl declarou:

“Não sei se é politicamente correto para um elemento do júri dizer este tipo de coisa, mas Kiev é a modos que secundário desde que mais pessoas tenham ficado, desde ontem, a conhecer o tremendo talento do Salvador Sobral (…) Como sempre, nas eternamente indignadas e alarves redes sociais, fica-se com uma certa sensação de pérolas a porcos perante um ou outro insulto reles

A revelação do seu favorito não agradou a um grande número de pessoas, que utilizaram as redes sociais para pedir a retirada do radialista do painel de jurados, contudo o mesmo não está entre o júri da Grande Final do Festival da Canção 2017. Contudo, o fato de Nuno Markl trabalhar com João Só (um dos compositores da segunda semifinal do evento) na rubrica As Baladas de Dr Paixão, na Rádio Comercial, têm aumentado as críticas ao jurado: Uns dos comentários nas redes sociais sobre o fato justificaram:

Quem garante que não acontecerá o mesmo que em Espanha?

É injusto para todos os outros participantes


A resposta de Nuno Markl

Depois da polêmica, Nuno Markl usou seu Facebook para se retratar. Confira parte da mensagem:

Bom, já a pensar em facilitar a vida aos órgãos de comunicação, vou estampar a informação principal já aqui: esta tarde, pus o meu lugar de jurado à disposição; a RTP rejeitou a minha demissão. Vou, por isso, continuar como jurado.

[…]

No texto que acompanhava o post, aproveitei para repudiar o quão asquerosas foram algumas mensagens de ódio e puro bullying nas redes sociais. Fiz esses comentários não para favorecer ninguém (ao ser a escolha oficial dos jurados, a canção já fora 50% favorecida, de acordo com as regras do festival), mas sim para prosseguir uma velha luta de sempre: a de que qualquer bully é um deplorável ser humano que merece ser denunciado.

[…]

Apresentei a minha demissão de jurado porque, entre o leque de canções da próxima eliminatória, está uma escrita pelo meu caro amigo João Só, com quem faço uma rubrica de baladas-por-encomenda às sextas-feiras na Rádio Comercial, no espaço As Baladas de Dr. Paixão. Eu consigo perfeitamente separar as coisas e nunca me passaria pela cabeça favorecer o João. Mas compreendo que o facto de eu ser jurado de um concurso onde um colaborador meu participa, pudesse levantar suspeitas. Em conversa com a direcção da RTP e o Presidente do Júri, Júlio Isidro, o que decidimos é que me irei abster de votar na canção do João. A média das votações nessa canção será feita sem a minha participação, e o facto será divulgado não apenas neste meu comunicado, mas também na própria noite do Festival, pelo Júlio Isidro.

[…]

Vejamos: conheço o Nuno Gonçalves há anos; fui das primeiras pessoas na rádio a passar The Gift, em 1995. Comi, há muitos anos, uma épica sopa da pedra na casa dos irmãos, Nuno e John, feita pela mãe deles.

[…]

O Samuel Úria já entrou em variados sketches meus, no Canal Q e no 5 Para a Meia-Noite (eu acho que um dia ainda o vou convencer a, sem largar a sua maravilhosa carreira musical, ter uma paralela como comediante – ele é extraordinário em tudo). Além disso, está no meu projecto de filme Por Ela, como um dos compositores da banda sonora. O Pedro Silva Martins, com os restantes Deolinda, já criou um tema musical para uma rubrica radiofónica minha (Coisas Que Acontecem, em 2006, na Antena 3). O João Pedro Coimbra, dos Mesa, tem um videoclip – Ele Domina – cujo argumento foi escrito por mim e no qual apareço como um dos protagonistas. O Nuno Figueiredo e o Jorge Benvinda, dos Virgem Suta, para além de terem inaugurado triunfalmente os mini-concertos em directo da minha cave, tiveram a amabilidade de cantar, há uns anos, uma serenata romântica que escrevi num aniversário da Ana Galvão. O Nuno Feist, para além de termos nascido na mesma noite, no mesmo local, e disso ter levado a uma amizade entre os nossos pais (a que talvez se deva o facto de ambos nos chamarmos Nuno), escreveu a meias comigo, há anos, uma marcha para uma parada de aniversário da SIC. O Heber Marques é, juntamente com os HMB, um amigo das Manhãs da Comercial, tendo os HMB sido a banda dos concertos das Manhãs da Comercial durante algumas das nossas primeiras actuações em Lisboa e no Porto.

Há sempre ligações. E quem diz comigo, diz com os restantes elementos do júri. É difícil estar neste meio e as nossas vidas não se cruzarem, de forma mais ou menos intensa. Mas admito que, sendo actualmente o João Só meu parceiro das Baladas de Dr. Paixão na Comercial às 6as feiras, a coisa pudesse soar suspeita. Desse modo, ficou oficialmente decidido: irei abster-me de votar na canção do João.

Leia a nota na íntegra aqui.


Festival da Canção 2017

A final do Festival da Canção acontece no dia 5 de março e contará com oito concorrentes, sendo 4 classificados de cada uma das semifinais. Até o momento, a ordem de apresentação é a seguinte:

Fonte: ESCPortugal

Veja mais sobre:

x Close

Curta nossa página no Facebook