Eurovision

Eurovision 2017: celebre… o escândalo!

Atrasos e confusões na preparação do festival podem colocá-lo em risco

13 de fevereiro de 2017 - por Marcus Javarini
13 02 2017

2017 está sendo, sem dúvida, um ano complicado para o Eurovision. Tudo por causa de uma série de confusões, atrasos e desentendimentos envolvendo a organização do festival e em algumas seletivas nacionais. Definitivamente, 2017 será um ano que a EBU vai querer apagar de sua história. Vamos aos motivos:


Atrasos

Logo Eurovision 2017Como se sabe, a Ucrânia vem enfrentando uma série de atrasos na organização. Desde que se confirmou como anfitriã, no final de maio, a emissora responsável, NTU, iniciou uma série de licitações para definir as empresas responsáveis pelas passagens, design, ingressos e etc. Porém, a organização ficou totalmente paralisada por alguns meses, deixando o público e a mídia sem nenhuma informação do andamento do festival. Para se ter uma ideia, a identidade visual da edição de 2017 foi revelada somente um dia antes do sorteio de alocação das semifinais, no dia 30 de janeiro. A empresa responsável pelos ingressos foi confirmada hoje (13), já a Pilot, empresa oficial de passagens aéreas, foi confirmada nos últimos dias de 2016. Além disso, ainda não foram definidos os apresentadores da competição e os contratos internacionais com empresas especializadas (som, iluminação, etc) não foram assinados.


Cidade-sede

International Exhibition Centre KievCinco. Esse foi o número de conferências de imprensa canceladas para anunciar a cidade-sede do Eurovision 2017. A NTU abriu, em julho, um período de inscrições para todas as cidades interessadas enviarem suas propostas à emissora, que faria um processo seletivo para definir onde seria o festival. Após muitas confusões, Odessa seria a anfitriã da competição, o que de fato não aconteceu.

Marcada para o dia 25 de agosto, a conferência de imprensa que iria anunciar a cidade-sede poderia ter revelado Odessa como a escolha da NTU. Pelo menos é o que afirmou o presidente da câmara municipal, Borislav Bereza. Segundo ele, a estatal havia entrado em contato com os representantes da cidade e anunciado que Odessa teria sido a escolhida, porém, na última hora, a decisão foi refutada e a conferência foi cancelada 10 minutos antes de acontecer, inclusive com todos os jornalistas aguardando seu início na sala de imprensa. Borislav ainda afirma que a decisão foi cancelada por alguém de poder, com interesses financeiros e que prefere Kiev como sede.

Ao fim das contas, Kiev foi declarada a anfitriã. Vale lembrar que a cidade mudou várias vezes a sua proposta, inclusive trocando a arena para abrigar a competição duas vezes.


Abate a animais

Outro escândalo que tomou conta da mídia nos últimos dias foi o fato de que a NTU supostamente teria interesse em abater animais em Kiev para limpar a cidade. O fato já ocorreu em 2012 quando o pais co-sediou  o Campeonato Europeu de Futebol e utilizou do mesmo método, abatendo mais de 20 mil animais, dentre cães e gatos de rua, que foram baleados, envenenados e até mesmo queimados vivos. A ideia para 2017 é que os animais sejam envenenados pelos caçadores próximo ao rio que corta a cidade. Vale lembrar que ninguém se pronunciou sobre o assunto.


Demissão em massa

Victoria RomanovaA ex-chefe de delegação ucraniana, Victoria Romanova, anunciou sua demissão da comissão organizadora do festivla. Oleksandr Kharebin também anunciou sua saída. Ambos ocupavam o mesmo cargo, o de produtores do Eurovision 2017. Além dos dois, toda a equipe de produção do festival será trocada, uma vez que uma série de confusões ocorreram internamente. Os problemas vão desde os atrasos em algumas decisões até problemas com as licitações. Segundo fontes, a NTU ainda não definiu nenhum detalhe técnico, como iluminação, transmissão de imagens, som e etc. Praticamente, nada foi decidido além do que já foi divulgado ao público, que são a cidade-sede, o palco, identidade visual e os parceiros aéreos e de ingressos.

Você pode ler a carta dos ex-funcionários aqui.


OGAE não terá mais direito a ingressos

Foi anunciado hoje que os membros das OGAEs (organizações oficiais de fãs do Eurovision) não terão mais direito a seus pacotes de ingresso. Caso queiram ir à Kiev, eles deverão comprar seus ingressos como qualquer espectador, através do parceiro oficial concert.ua e durante o período de vendas. Outra novidade que não agradou o público foi que o Euroclub não terá como tema o Eurovision e que não haverá mais ingressos do tipo F2, que permitiam a entrada de fãs justamente no Euroclub.


Confusão na Espanha

Manel NavarroSe enganou quem achou que só a Ucrânia está enfrentando problemas no Eurovision. A Espanha mal decidiu seu representante para a competição e a confusão já se instaurou no país, envolvendo fãs, jurados, emissora… chegando até mesmo à agressão física. No último sábado, Manel Navarro foi definido como representante espanhol com a música “Do it for your lover“. Após empate entre Manel e Mirela, os jurados ficaram encarregados de decidir quem representaria o país. Em meio a muitas vaias no estúdio da TVE, Mirela, uma das favoritas, terminou em segundo. E com o fim do show, vieram as acusações de fraude. Como o ESCPedia já noticiou aqui, o site da rádio Los 40, que apoiava efusivamente Manel e que é onde trabalha o jurado Xavi Martinez, divulgou antes do início do show a vitória do jovem cantor. Xavi parece ser amigo próximo do vencedor e, em um tweet, disse que iria transformar “Do it for your lover” em um hino. Outro indício de fraude: a filha da diretora de entretenimento da TVE, Toñi Prieto, trabalha na área de comunicação da gravadora de Manel, a Sony Music.


Campeão decidido na Romênia

Florin Chilian, que é um dos inscritos do Selecția Națională 2017, acusou a organização de já ter escolhido o vencedor. Ele disse a um site que soube há alguns dias que a canção que representará a Romênia não tinha sido composta por um estrangeiro e que não era a dele. Ele ainda alegou que Lora descobriu isso anteriormente e se retirou da competição. Pelas declarações, os fãs acreditam que Florin está se referindo a “Yodel It“, composto por Mihai Alexandru e interpretado por Ilinca & Alex Florea. A dupla se classificou para a semifinal do dia 26 de fevereiro; Florin, não.


San Marino vai participar?

A pequena nação parece estar em uma saia justa. Como se sabe, o dia 15 de setembro foi a data limite para os países se inscreverem no Eurovision 2017. A estatal do país, SMRTV, marcou para o mesmo dia uma conferência de imprensa para anunciar as novidades da emissora, dentre elas confirmar que San Marino não sabia se participaria do Eurovision, mesmo tendo feito sua inscrição na EBU. Meses mais tarde, dois artistas, Tony Maiello e Arisa, confirmaram que a estatal os convidou para representar o país, desde que eles pagassem uma quantia que variava entre 300 e 500 mil Euros. A emissora desmentiu os fatos e confirmou, mais tarde, que sua participação no festival ainda não estava confirmada. Caso desistam, San Marino pagará uma salgada multa, já que o prazo para desistir da competição já passou.


Caso realmente aconteça, o Eurovision 2017 terá lugar em Kiev no dias 9, 11 e 13 de maio no Internacional Exhibition Centre. Os apresentadores ainda serão anunciados pela NTU.

x Close

Curta nossa página no Facebook