Eurovision

E se a Ucrânia não sediar o Eurovision?

A vaga não vai para o segundo colocado.

27 de agosto de 2016 - por Marcus Javarini
27 08 2016

Muito se tem discutido acerca do processo de escolha da cidade-sede para abrigar a próxima edição do Eurovision, que acontecerá na Ucrânia no ano que vem. A EBU divulgou um vídeo onde o supervisor executivo da competição,Jon Ola Sand, fala sobre os motivos que estão tornando a escolha da cidade-sede algo demorado.

Esse ano, o desafio-chave está em escolher uma cidade que possa cumprir todas as expectativas da EBU e da emissora anfitriã […] Este ano, este é o desafio, pois não temos um local preparado na Ucrânia que possa abrigar o Eurovision, e isso gera boas discussões entre as cidades para obter a melhor solução.

Segundo Jon, a Ucrânia não possui um local para abrigar o festival. Sabe-se que, dentre as três propostas de local, todas possuem irregularidades: Kiev concorre com o Palace of Sports, que já mostrou não ter capacidade tecnológica para o Eurovision. Já em Dnipro, a Meteor Sports Arena não possui teto, o mesmo acontece em Odessa com o Chornomorets Stadium, requisito indispensável pela EBU. Com todos esses problemas, pergunta que fica é: Caso a Ucrânia não ache um lugar preparado para abrigar o Eurovision 2017, quem sediará a competição?

Para responder essa questão, é importante ressaltar que não existe uma regra no regulamento da EBU que preveja tal acontecimento. Desde 1958, quando um país vence a competição, este é convidado a sediá-la no ano seguinte e pode ou não fazê-lo sem nenhuma punição. Uma curiosidade: desde 1980 todos os países que venceram o Eurovision foram os anfitriões no ano seguinte.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, caso a Ucrânia encontre problemas para abrigar o festival e desistir da organização, o compromisso não é passado para o segundo colocado. Neste caso, a EBU lançará um processo de recebimento de candidaturas dos países interessados em sediar o festival e analisará as propostas para decidir qual é a melhor opção.


Desistências no passado

Segue uma lista de países que desistiram de sediar o Eurovision, bem como os motivos que levaram à desistência e os anfitriões substitutos nesses anos:

AnoVencedorAnfitriãoPos. do anfitrião no ano anteriorMotivo
1957SuíçaAlemanhaDesconhecidoNa primeira edição do Eurovision, entendia-se que todas as nações deveriam ter o direito de sediar a competição. Boatos dizem que a Alemanha teria ficado em segundo lugar, uma vez que 1956 é o único ano onde foi anunciado apenas o vencedor.
1960HolandaReino Unido - 16 pontosA Holanda desistiu de sediar em 1960 por ter sido a anfitriã em 1958.
1963FrançaReino Unido - 10 pontosA França não sediou a edição de 1963 por problemas financeiros.
1970*Espanha*Holanda - 18 pontosEm 1969, quatro países empataram em primeiro lugar, porém somente a Holanda foi escolhida para organizar a edição do ano seguinte.*
França*
Reino Unido*
1972MônacoReino Unido - 98 pontosMônaco não havia um local para sediar a competição que atendesse aos requerimentos da EBU.
1974LuxemburgoReino Unido - 123 pontosLuxemburgo venceu a competição em 1972 e 1973, sediando em 1973, porém não quis sediar a competição duas vezes seguidas.
1980IsraelHolanda12º - 51 pontosA EBU se recusou a trocar a data do festival que coincide com o Dia da Memória em Israel, feriado nacional.

Veja mais sobre:

x Close

Curta nossa página no Facebook