A regra do 1º de setembro

Uma das regras mais conhecidas do Eurovision é a regra do ‘1º de setembro’: qualquer canção que queira participar do Eurovision não pode ter sido publicada antes de 1º de setembro.

É por esse motivo que os fãs do festival comemoram essa data como o início da temporada eurovisiva. Contudo, essa regra nem sempre foi exatamente como a conhecemos hoje. Até 2002, as canções que quisessem fazer parte do Eurovision não poderiam ter sido publicadas antes de 1º de janeiro do ano do festival. As orientações da EBU eram muito mais rígidas do que hoje, não permitindo qualquer divulgação dos temas, por menores que fossem.

Para o Eurovision 2003, a organização mudou a data limite da publicação de 1º de janeiro para 1º de outubro, o que foi percebido pelos fãs após a divulgação das regras para o Nationaal Songfestival (tradicional seletiva da Holanda).

O ‘feliz 1º de outubro’ persistiu até 2010, quando o Grupo de Referência*, a pedido de várias emissoras, decidiu novamente antecipar a data, dessa vez para 1º de setembro. Uma das emissoras que pode ter influenciado na decisão foi a RTBF, que gostaria de começar a divulgar as canções de sua final nacional para o Eurovision 2011 logo em maio, o que não era permitido (e continua não sendo).


A música e a internet

Houve mais uma mudança no ‘1º de setembro’, porém não relacionada à data. Depois de problemas com uma concorrente do Dansk Melodi Grand Prix, da emissora dinamarquesa DR solicitou à EBU que houvesse uma revisão na regra, pensando principalmente na forma como a Internet mudou o mundo da música. A organização aceitou o pedido e, a partir do Eurovision 2014, uma música pode ser publicada antes de 1º de setembro, porém tal publicação não pode trazer nenhuma vantagem desleal ao artista na competição.

Não acreditamos que a regra da EBU esteja atualizada. Hoje em dia, compositores regularmente trocam as versões demo de suas canções online. Eles nos ouviram, mas um pouco tarde para mudanças em 2013, então eles provavelmente não conseguiram mudar as regras antes de 2014.

Jan Lagermand Lundme
Diretor de entretenimento da DR

Os dinamarqueses puderam ver um exemplo claro da nova regra em 2016. Anja Nissen esteve no DMGP com “Never alone“, que já havia sido interpretada pela autora do tema, Emmelie de Forest, pelo menos 11 vezes desde 2014. Anja não foi desclassificada, porém não chegou ao Eurovision, terminando a seletiva na 2ª colocação.


Polêmica

Uma das maiores polêmicas envolvendo a nova versão da regra aconteceu com a vencedora do Eurovision 2016, Jamala. Foi encontrado um vídeo de maio de 2015, no qual ela interpreta “Qirim“, que nada mais é que uma versão da campeã “1944“. Muitos fãs pediram à EBU que a desclassificasse, inclusive criaram petições online para que o resultado do festival fosse revisto, entretanto, o caso foi analisado e, com base na nova versão da regra, foi definido que o fato da ucraniana ter interpretado sua canção antes de 1º de setembro não trouxe a ela nenhuma vantagem significativa.


Junior Eurovision

A regra de 1º de setembro também vale para o Junior Eurovision, com exceção de sua principal cláusula: a data. Toda canção que deseja participar do festival infantil da EBU não poderá ter sido publicada antes de 1º de maio. Assim como no adulto, divulgações anteriores à data estipulada não serão levadas em consideração caso não tragam ao artista vantagens perante os outros concorrentes.


*Grupo de Referência: grupo criado por para aprovar o desenvolvimento e futuro formado do Eurovision, assegurar as finanças, modernizar a marca e fiscalizar a preparação anual da emissora que sedia o festival. Ele se reúne entre quatro e cinco vezes por ano e é fomado por um diretor, três membros eleitos do grupo de experts em entretenimento da EBU (chefes de delegação), dois produtores executivos dos festivais anteriores, assim como o produtor executivo da atual edição e o supervisor executivo do Eurovision.

Fonte: ESCToday, ESCFlashMalta e Eurovision Times

Veja mais sobre:

x Close

Curta nossa página no Facebook